A profissão streamer vem se tornando uma alternativa para quem gosta de games e não sabe com o que trabalhar. Entretanto, existe algumas regras e os descumprimentos delas geram banimento. Porém algumas infrações são passíveis de contextualização, como é o caso de Emanuel.

Há diversos casos de banimento em plataformas de streams. Entretanto, alguns banimentos beiram ao absurdo.

LEIAM MAIS

É o caso de Emanuel, conhecido como Nuel. Ele foi banido na Twitch pois seu filho apareceu (sozinho) por alguns segundos. A Twitch tem uma política de “preservação de imagem de menores”, na qual crianças só podem aparecer em live acompanhadas.

Solidariedade do Cenário

Compadecida com a situação, a jogadora profissional (VALORANT) da INTZ Tayhuhu explicou que esse tipo de banimento era resolvido somente com a Twitch Internacional. Ela viveu caso similar e só conseguiu a conta de volta depois de contactar o pessoal de lá.

Contudo, explicar o que ela fez. Ela mobilizou o cenário e foi em busca de dar visibilidade ao caso. Com isso, o caso chegou (de fato) para quem está fora do Brasil e a expectativa é de que o banimento se resolva rapidamente.


Entretanto, ela não foi a única a compadecer com o rapaz. Outros nomes como: peacemaker e kng (CS:GO); Andreza Delgado (cocriadora do Perifacon- a Comic Con da periferia) também se solidarizaram com a situação de Nuel.

Emanuel gravou um vídeo explicando o porque da necessidade de fazer lives e os motivos do banimento. Ele conta, que devido a pandemia, estava desempregado e começou a fazer das lives seu novo emprego. Segundo ele, eles conseguia pagar algumas contas e ajudar em casa.

Casos como o de Emanuel e Taynah abre discussão sobre a condução desses bans pois apesar de estarem corretos, por um lado, por outro eles deveriam levar o contexto em consideração.

Afim de evitar esses banimentos, aos streamers com filhos pequenos, resta apenas utilizar um Chroma Key ou trocar de “Cena”, caso tenha que fazer uma pausa na stream.

Confira o canal do Youtube de Nuel.

Para mais notícias, acessem nosso portal.

Comentar via Facebook